Quilombo dos Palmares: conheça o maior quilombo do Brasil

Mais do que o berço de uma infinidade de belezas naturais, Alagoas também foi palco de grandes acontecimentos dentro da história do país. Um exemplo disso é o Quilombo dos Palmares, o maior quilombo ainda existente no Brasil. 

O local chegou a abrigar aproximadamente mais de 20 mil quilombolas. Com isso, se tornou o maior símbolo de resistência a escravidão na história do Brasil. 

Quilombo dos Palmares

Foto: Wesley Menegari – reprodução

Neste post você vai conhecer a história do Quilombo dos Palmares. Além disso vai entender como funcionava a maior rota de fuga para escravos no Brasil. Confira abaixo!

Quilombo dos Palmares

A era colonial brasileira foi marcada por diversos quilombos, uma espécie de acampamento na mata. O Quilombo dos Palmares é um deles. Ele recebeu esse nome devido a vasta quantidade de palmeiras no local do acampamento e recebia em terras alagoanas escravos fugidos das capitanias de Pernambuco e da Bahia. 

Eles eram divididos em nove aldeias dentro da mesma localidade, as quais recebiam o nome de mocambo. A Serra da Barriga foi a área escolhida por eles para habitar. Por essa razão, até hoje a serra é o ponto de encontro das celebrações da cultura afro no estado. 

Modo de vida

Pouco se sabe sobre os hábitos dos quilombolas devido ao fato de não existirem registros escritos deixados por eles. No entanto, sabe-se que assim como as pequenas comunidades da época, viviam da caça, pesca, coleta de frutas e da agricultura. Tendo assim um modo de vida semelhante inclusive ao modo de vida das aldeias indígenas. 

Entre eles havia ainda uma divisão que definia a hierarquia dos quilombolas. Os fugitivos que chegavam eram os mais privilegiados e reconhecidos dentro do quilombo. Já os libertados por invasões em batalhas eram desconsiderados e indicados para os trabalhos mais pesados. 

Dentro da hierarquia, os mocambos eram liderados pelo “grande chefe” Ganga Zumba. Ele era acompanhado por um conselho formado pelos chefes dos outros mocambos. Anos mais tarde, Ganga Zumba aceitou um contrato de paz com os brancos, em meio aos constantes conflitos. Isso causou revolta entre os quilombolas e resultou no assassinato de Ganga. 

Após a morte do líder, Zumbi dos Palmares assumiu o posto e se tornou o guerreiro de maior destaque na história do quilombo. Ele foi o responsável por manter a resistência do Quilombo dos Palmares planejando uma série de estratégias de guerrilha bem sucedidas.

O fim do Quilombo dos Palmares

Já no reinado de Zumbi, um batalhão comandado pelo bandeirante Domingos Jorge Velho ocupou a capital de Palmares. Fato que acabou causando a queda dos outros mocambos nos meses seguintes. Zumbi, ainda assim conseguiu escapar desta invasão mas foi morto pouco depois refém de uma armadilha, tendo sua cabeça decepada e exposta em praça pública em Recife. 

Após 18 campanhas para destruir o acampamento, e com a morte de seu líder Zumbi, o Quilombo dos Palmares se desintegrou por completo. Após a derrota dos quilombolas, a região foi crescendo até ser elevada a município, atualmente conhecido como União dos Palmares em homenagem ao quilombo. 

Passeio para a Serra da Barriga

A Serra da Barriga foi intitulada como patrimônio cultural do Mercosul e se tornou um parque memorial. O primeiro e único parque temático sobre a cultura negra do país. Por aqui existem passeios saindo de Maceió para a Serra com a Diáspora Black e a reserva pode ser feita pela internet, através do site da rede.

Chegando lá, a sensação é de estar dando um mergulho na história do país. Além disso, no pé da serra você ainda pode conhecer o povoado de Muquém. É lá onde fica a casa da mestra Irinéia, notória artesã que possui uma de suas esculturas expostas no Circuito Alagoas Feito a Mão.

Gostou de saber um pouco mais sobre a história do Quilombo dos Palmares, Zumbi e dos acontecimentos da época? Alagoas é um tesouro com diversas histórias que merecem ser conhecidas. Você já conhece a Rota do Cangaço no município de Piranhas em Alagoas? Confira essa e outras diversas histórias no nosso blog.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *